Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de fuga

Na rotina dos sonhos fugimos dos dias

Diário de fuga

Na rotina dos sonhos fugimos dos dias

Regresso

11.09.14 | Alice Barcellos | comentar
Regressei ao meu blogue neste 11 de setembro, data difícil mas à qual vamos regressar sempre. Regressei mais uma vez à escrita descomplexada e sem grandes rodeios, numa nova tentativa de fazer disso rotina, embora seja difícil. Mas regressar pode ser mesmo isso, voltar (...)

Nunca escrevemos tanto e tão mal

05.06.14 | Alice Barcellos | comentar
A indignação é geral, a polémica está instalada. Uma marca de gelados cometeu um erro de português daqueles que faz doer a barriga e revirar os olhos. Apesar de todos nós escorregarmos, de vez em quando, na ortografia, a questão ganha outra dimensão quando aparece (...)

Um selfie vale mais do que...

14.12.13 | Alice Barcellos | comentar
Quem nunca pegou numa máquina, apontou para a cara e tirou uma foto que atire a primeira pedra – ou o primeiro post... Pois é, tirar um auto-retrato é uma prática que existe desde que a fotografia se entende como tal. Hoje em dia, o reboliço é tanto à volta desta (...)

Nas mãos de Mandela

07.12.13 | Alice Barcellos | ver comentários (1)
Foram mãos fortes, de dedos grossos, mãos expressivas, ora junto à face, ora a acenar, ora de punho cerrado, que tomaram de assalto as capas de jornais de todo o mundo nesta sexta-feira. Foram as mãos de Nelson Mandela, mãos de quem levou uma causa às costas como se (...)

Fuligem

29.08.13 | Alice Barcellos | comentar
Fuligem. Ontem o Porto estava cheio dela. Entrou pela janela da nossa sala, agarrou-se às secretárias, às folhas, aos ecrãs dos computadores. Cada bocadinho de fuligem traz nele o resto de um incêndio. Sortudos nós, ainda assim, que na cidade só levamos com a (...)

Os mortos são sempre inocentes

22.08.13 | Alice Barcellos | comentar
São dezenas de corpos dispostos no chão, envoltos em lençóis brancos, olhos fechados, expressões serenas. Muitas crianças. São a geração perdida e destruída pela guerra. Estas já não vão poder ver o seu país em paz, algumas delas nasceram e morreram durante (...)