Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de fuga

Na rotina dos sonhos fugimos dos dias

Diário de fuga

Na rotina dos sonhos fugimos dos dias

A história de uma onda

07.11.20 | Alice Barcellos | ver comentários (10)
Nasci numa imensidão azul sem terra que pudesse ser vista. Mas o vento, meu pai, empurrou-me na direção certa. Sabia que este dia iria chegar, o dia em que sairia do âmago da minha mãe, o oceano, e iria cumprir a minha missão. Quando nasci era pequena, ainda não me (...)

A ilha

26.10.20 | Alice Barcellos | ver comentários (6)
I O homem queria conhecer o mundo e partiu sem rumo II O barco virou uma casa e o mar rua, estrada, avenida III Havia por ali uma ilha deserta que ansiava receber visitas IV Durante a tempestade, a mulher caiu ao mar e perdeu-se V O homem, no seu barco, chegou à ilha e (...)

A almofada

23.10.20 | Alice Barcellos | ver comentários (13)
Todas as noites, ela agarrava-se à almofada e rezava. Pedia muito para que naquela noite ele não viesse ao quarto. Rezava que não tivesse de sentir aquelas mãos pesadas contra o seu corpo frágil. Desejava, no mais profundo do seu ser, que não tivesse de passar por (...)

Aquele lápis

10.10.20 | Alice Barcellos | ver comentários (13)
Ele andava hipnotizado por ela. Era nela que pensava ao adormecer e ao acordar. Desde a primeira vez que a vira, arranjava-se melhor antes de sair de casa. Começou a passar as t-shirts a ferro e comprou um perfume caro. Não se descuidava da barba e olhava-se com mais (...)

A aula de dança

10.07.20 | Alice Barcellos | ver comentários (2)
Miyuki fazia sempre o mesmo caminho até aos antigos armazéns onde tinha sentido o gosto da liberdade e experienciado a esperança em forma de abraço. Desde aquele dia não conseguia manter-se muito longe do lugar que guardava, ao mesmo tempo, tantas sombras e luz. A (...)

Vou ali e já venho

21.05.20 | Alice Barcellos | ver comentários (6)
Miyuki levantou-se cedo naquele dia fresco de início de primavera. Ao longe, ouvia-se o canto dos rouxinóis e ela podia sentir o perfume das cerejeiras em flor a entrar pelas janelas do apartamento. Ligou o computador e esteve a apreciar a câmara que mostrava a sakuraem (...)

Sociedade secreta da esperança

23.03.20 | Alice Barcellos | ver comentários (13)
A cidade estava silenciosa, como nunca antes havia estado. Amanhecia e o contorno dos arranha-céus começava a desenhar-se contra a luz violeta. Desde que se vivia em isolamento, ninguém começava o dia antes do sol raiar. As pessoas mudaram as rotinas, muitas trabalhavam (...)