Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de fuga

Na rotina dos sonhos fugimos dos dias

Diário de fuga

Na rotina dos sonhos fugimos dos dias

Todo o jornalista tem um sonho

13.12.18 | Alice Barcellos | ver comentários (5)
É difícil não ouvir da boca de um jornalista que, em algum momento da sua vida, teve um sonho. O sonho de mudar o mundo. Para melhor.    Quando começamos a estudar, é esta a ideia que nos passam. Que os jornalistas têm este poder. Que podem fazer a diferença na (...)

E tu, onde estavas a 15 de outubro?

15.10.18 | Alice Barcellos | comentar
É comum lembrarmo-nos de onde estávamos e do que estávamos a fazer no dia de grandes tragédias. Tantas vezes já ouvi "lembro-me perfeitamente do que estava a fazer quando aconteceu o 11 de setembro" que serve de mote para depois se falar mais uma vez dos atentados que (...)

Maurice e Patapon

09.01.15 | Alice Barcellos | comentar
Um cão e um gato, Maurice e Patapon, um bissexual anarquista e outro assexual fascista, ficaram órfãos depois do ataque bárbaro à redação do Charlie Hebdo, em Paris. Charb, o diretor do jornal, era o “dono” dos bichanos que há bem pouco tempo tinham voltado aos (...)

Nunca escrevemos tanto e tão mal

05.06.14 | Alice Barcellos | comentar
A indignação é geral, a polémica está instalada. Uma marca de gelados cometeu um erro de português daqueles que faz doer a barriga e revirar os olhos. Apesar de todos nós escorregarmos, de vez em quando, na ortografia, a questão ganha outra dimensão quando aparece (...)

Nas mãos de Mandela

07.12.13 | Alice Barcellos | ver comentários (1)
Foram mãos fortes, de dedos grossos, mãos expressivas, ora junto à face, ora a acenar, ora de punho cerrado, que tomaram de assalto as capas de jornais de todo o mundo nesta sexta-feira. Foram as mãos de Nelson Mandela, mãos de quem levou uma causa às costas como se (...)

Os mortos são sempre inocentes

22.08.13 | Alice Barcellos | comentar
São dezenas de corpos dispostos no chão, envoltos em lençóis brancos, olhos fechados, expressões serenas. Muitas crianças. São a geração perdida e destruída pela guerra. Estas já não vão poder ver o seu país em paz, algumas delas nasceram e morreram durante (...)